Fundo de Investimento: Quais são os principais tipos?

Por Equipe do AJ

Em nosso segundo episódio da série sobre Fundo de Investimento, vamos apresentar os tipos de fundos mais comuns que podemos encontrar no mercado. Se você ainda não leu a primeira parte desta série, clique antes nesse link, pois ela traz informações importantes, que complementam este artigo. 

De acordo com a ANBIMA, a classificação dos fundos considera as classes de ativos que abarcam a carteira, seus riscos e prazos, bem como o tipo e estratégias de gestão. Basicamente os fundos são divididos em 4 níveis:

1. Fundos de renda fixa – alocação de ao menos 80% em ativos associado a taxa de juros. São fundos mais conservadores que, de forma geral, possuem maior liquidez e maior previsibilidade sobre remuneração e prazo. Normalmente possuem como benchmark o CDI. Podem ser:

– Curto prazo: prazo médio da carteira de 60 dias e nenhum título maior que 375 dias

– Longo prazo: prazo médio da carteira de 365 dias

– Referenciado: no mínimo 95% do patrimônio em ativos que acompanham o índice econômico de sua referência.

– Simples: ao menos 95% em títulos públicos federais ou ativos de instituições financeiras com risco correspondente

– Dívida externa: não menos que 80% do patrimônio em títulos da dívida externa brasileira.

– Crédito privado: acima de 50% em títulos de crédito privado

2. Fundos de ações – aplicação de no mínimo 67% do seu patrimônio em ações e correlatos, negociados na bolsa de valores. Por conseguinte, a grande maioria da sua variação de preço depende das ações que o gestor compra e vende.

3. Fundos multimercados – investem em vários fatores de risco sem particularidade na concentração. Habilidade de diversificar a carteira com diferentes segmentos e manter rendimentos consistentes. Isto é, podem aplicar desde ativos mais conservadores até mais agressivos, a depender da gestão, que tem liberdade para essa alocação, de acordo com o regulamento do fundo. 

4. Fundos cambiais – alocação de ao menos 80% do seu patrimônio em investimentos com relação direta em moedas estrangeiras. Sofrem, portanto, variação dos preços dos ativos que os compõem.

TERMINOLOGIAS

Ao ler o estatuto do fundo, o investidor pode ter diversas dúvidas em relação ao significado e as siglas existentes lá. Pensando nisso, selecionamos as principais delas para que, ao optar pela aplicação em um fundo de investimento, você possa analisar se ele atende aos seus objetivos. 

Gestão ativa: A gestão ativa busca superar um índice de referência, com o propósito de aumentar a rentabilidade superando um benchmark específico. Para isso, é necessário que o gestor adote diversas estratégias, cobrando assim maiores taxas, visto que terá um trabalho maior para atingir esta maior rentabilidade. 

Gestão passiva: Por outro lado, a gestão passiva busca desempenho de um índice de referência. Por exemplo, o gestor pode basicamente comprar títulos públicos ou privados, obtendo dessa forma um desempenho semelhante a SELIC ou ao CDI, respectivamente. Assim, normalmente cobram taxas menores, possuindo também maior previsibilidade quanto aos rendimentos.

Fundo aberto: Possibilita aplicação e resgate a qualquer tempo, basta que o gestor e administrador façam a movimentação dos ativos e cotas correspondentes. Não possuem data de vencimento. É encontrado no site da corretora em que o investidor possa achar o que mais lhe interessar de acordo com seus interesses.

Fundo fechado: O fundo tem períodos de captação de recursos, quando esse período se encerra, a entrada e saída de cotistas fica bloqueada. As cotas somente são resgatadas ao término do prazo de duração do fundo. Caso o investidor queira se desfazer das cotas tem que vender pra outra pessoa pelo preço de mercado, e não pelo valor investido. O fundo de investimentos imobiliário (FII) é um exemplo deste fundo, em que o investidor envia ordens a partir da sua corretora para o sistema de negociação.

FI – Fundo de investimento. Qualquer fundo existente no mercado financeiro.

FII – Fundo de Investimento Imobiliário. Aplicação em investimentos do setor imobiliário, seja aplicações financeiras ou imóveis físicos.

FIA – Fundo de Investimento em Ações. Aplicação de ao menos 67% em ações ou ativos correlacionados.

FIM – Fundo de investimentos Multimercado. Investimento sem necessidade de concentração em alguns ativos, há a junção de vários fatores de risco.

FC – Fundos Cambiais. No mínimo 80% dos ativos atrelados a moedas estrangeiras. 

RF – Fundos de Renda Fixa. Deve possuir ao menos 80% em ativos em renda fixa.

CP: Fundo de Investimentos de Curto Prazo. Têm como ativos títulos públicos e de instituições com baixo risco de crédito com duração aproximada de 60 dias.

REF – Fundo de Investimento Referenciado. Possui um índice econômico como referência, com o objetivo de obter uma rentabilidade igual a este. Exemplo: REF DI, significa que o fundo é referenciado e devem ter na carteira ao menos 95% em títulos atrelados ao CDI ou SELIC.

FIP – Fundo de investimento em Participações. Destinados a aplicar recursos em companhias abertas, fechadas ou sociedades limitadas, em fase de desenvolvimento.

CP – Fundo de Investimento em Crédito Privado. Investimento em ao menos 50% do patrimônio nos títulos de renda fixa de empresas privadas. 

FIDC (Fundo de Investimento de Direitos Creditórios) – fundo que destina uma parcela de ao menos 50% do capital social para a aplicação em direitos creditórios. 

FIC – Fundos de investimentos em cotas. Compra cotas de outros fundos de investimentos disponíveis. Deve ser investido ao menos 95% em fundos da mesma classe, exceto os fundos multimercado que podem investir em várias classes de ativo ao mesmo tempo. O pagamento da taxa de administração nestes ocorre em cascata, pois o fundo de origem também cobra a taxa. Ou seja, no momento que este fundo compra cota do outro fundo, há uma taxa de administração, e o investidor também paga essa taxa quando investe neste fundo.

Alguns exemplos desses mais comuns são:

FIC FIs – Fundos de investimento em cotas de fundos de investimento. Devem alocar ao menos 95% do patrimônio em cotas de fundos de investimento.

FIC FIA – Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimentos em Ações. Destinação de 95% do patrimônio para cotas de fundos de ações. 

FIC FIM – Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Multimercado. Aplicam 95% do patrimônio em cotas de fundos multimercados.